WELCOME TO KONE!

Are you interested in KONE as a corporate business or a career opportunity?

Corporate site

Would you like to find out more about the solutions available in your area, including the local contact information, on your respective KONE website?

Your suggested website is

United States

Go to your suggested website

Back to top

GLOSSÁRIO

Quando se fala de elevadores, escadas rolantes e portas automáticas em edifícios é, por vezes, necessário usar termos técnicos e acrónimos, e, por isso, criámos um glossário prático para o ajudar com os respetivos significados. Clique numa palavra ou frase para consultar a respetiva definição.

  • Uma disposição de cabos de suspensão, na qual a velocidade da cabina e a velocidade do cabo são iguais.

  • Uma disposição de cabos de suspensão, na qual a velocidade da cabina é metade da velocidade do cabo.

  • Fornecimento de energia elétrica que fornece tensão alternada de 3 fases.

  • Um dispositivo ou sistema que controla o acesso a um elevador ou a um edifício.

  • A porta do lado da entrada principal. Consultar também o termo "Porta C".

  • Um sistema que permite às portas da cabina começarem a abrir antes de esta estar totalmente parada no patamar. As portas começam a abrir quando a cabina do elevador está na zona da porta e a velocidade foi reduzida abaixo do limite permitido pelo código de segurança.

  • Uma série de portas automáticas para elevadores, com base em componentes intercambiáveis. Adequadas para uso na maioria dos elevadores.

  • Ruído transmitido através do ar. Nos elevadores, este ruído é normalmente gerado pela máquina, cabos, painel de controlo, portas, sapatas de guia e outros componentes de vibração.

  • Um alarme usado para chamar a atenção e a assistência. O alarme é acionado ao premir um botão no interior da cabina. Este poderá estar localizado na caixa do elevador, num patamar adequado ou no tejadilho da cabina.

  • É um botão para acionar o alarme. Também ativa a ligação por voz, se a monitorização remota for utilizada. Está localizado na cabina, com botões adicionais no teto da cabina e sob a mesma.

  • É o tempo que o botão de alarme deve ser premido até que o sinal seja registado.

  • É o sinal gerado ao premir o botão de alarme.

  • Um piso onde o locutor do elevador opera.

  • Um elemento de amortecimento para reduzir o ruído. É utilizado, por exemplo, em cabinas, painéis das portas e quadros de controlo/comando.

  • Um sistema de segurança para deter o movimento descontrolado de uma cabina ascendente.

  • Um motor elétrico, no qual a velocidade de rotação não é exatamente fixa à frequência da corrente fornecida. A diferença entre a frequência e a velocidade do rotor é chamada "deslizamento". O deslizamento gera o binário do motor.

  • Porta da cabina com abertura e fecho automáticos.

  • Porta com abertura e fecho automáticos.

  • É a área da cabina medida a uma altura de 1 m acima do nível do piso, excluindo corrimões, que está disponível para passageiros ou bens durante a operação do elevador. Qualquer área disponível na entrada, quando as portas estão fechadas, também deve ser tida em conta.

  • Trata-se de uma situação na qual existe um peso de 30-50% da carga nominal (dependendo do princípio de dimensionamento) na cabina do elevador e o contrapeso e os pesos da cabina são iguais.

  • É a proporção (em percentagem) da carga nominal do elevador, na qual a cabina do elevador e o contrapeso estão em equilíbrio.

  • É a massa em contrapeso que economiza energia ao equilibrar a totalidade ou parte da massa da cabina, chassi da cabina e a carga nominal.

  • É uma barreira de segurança no teto da cabina que evita que evita quedas na caixa do elevador.

  • Uma gama específica de portas que suporta até 200.000 ciclos/ano. Consultar também os termos "Porta de utilização intermédia" e "Porta de utilização intensiva".

  • Dispositivo opcional que permite conduzir a cabina com carga equilibrada até ao piso mais próximo.

  • Uma plataforma em aço ou em ferro fundido sobre a qual uma máquina é colocada.

  • Um dispositivo que é capaz de assumir um ou dois estados estáveis. Mantém-se num dos estados até ser ativado o interruptor. Em seguida, é alternado para o outro estado estável e permanece no mesmo até o outro interruptor ser ativado. Consultar também o termo "Interruptor mono-estável".

  • Um dispositivo mecânico de segurança para bloquear a cabina durante os processos de instalação e de manutenção.

  • Uma haste em aço no dispositivo de bloqueio que, quando desliza no interior do orifício na placa de bloqueio, bloqueia a cabina.

  • Uma placa em aço com orifícios no dispositivo de bloqueio. O varão de bloqueio é deslizado no interior dos orifícios.

  • A distância livre vertical desde o fundo do poço até à parte estrutural ou mecânica, equipamento ou dispositivo instalado(a) mais abaixo sob a plataforma da cabina do elevador, excluindo as sapatas de guia ou rolos, conjuntos de mecanismos de segurança e aventais ou guardas da plataforma, quando a cabina está apoiada sobre os seus amortecedores totalmente comprimidos. Consultar também o termo "Espaço de segurança".

  • É o piso mais baixo num edifício.

  • É o patamar mais baixo num prédio no qual o elevador opera.

  • É um dispositivo eletromecânico usado para impedir que o elevador se mova, quando a cabina está em repouso e nenhuma fonte de energia é fornecida ao sistema de elevação. Em alguns tipos de controlo, também pára a cabina quando o sistema de elevação perde potência.

  • É a força vertical que pára a cabina como resultado da operação do sistema de segurança. Consultar também a força de retenção.

  • É uma placa sob o chassi da cabina onde o amortecedor atinge.

  • É o rebaixamento do edifício, como resultado do afundamento até ao piso ou, retração do betão.

  • Pessoal e equipamentos para supervisão dos sistemas técnicos num edifício (climatização, aquecimento, elevadores, controlo de acesso, etc.).

  • Define as tolerâncias para as dimensões nominais da caixa, casa de máquinas, aberturas/vãos, etc.

  • Funcionalidades e recursos que estão incluídos no produto básico.

  • Uma funcionalidade que permite à cabina do elevador ignorar as chamadas de embarque/desembarque registadas quando o peso da cabina supera um determinado limite. Normalmente, o limite é de 60% a 80% da carga nominal.

  • É um lugar onde os alarmes e as chamadas de emergência são recebidos. As pessoas e os computadores lidam com a informação recebida.

  • Também denominada "Rede da zona do controlador"; "CAN" é o acrónimo do termo "Controller Area Network". Sistemas de barramento (bus) que interligam equipamentos de automação inteligente numa rede ponto a ponto (peer-to-peer). As aplicações mais destacadas ​​são os sistemas de barramento utilizados ​​em veículos a motor e na sincronização de acionamentos elétricos.

  • A área do piso da cabina, incluindo a área da soleira da porta, dependendo da carga nominal/número de passageiros, conforme especificado pelo código de segurança.

  • Um dispositivo concebido para parar uma cabina que desce para além do limite normal do respetivo percurso, armazenando ou absorvendo e dissipando a energia cinética da cabina.

  • Um dispositivo que tem duas funções relacionadas e interdependentes: (1) evitar (de forma elétrica) o funcionamento da máquina de elevação, a menos que a porta da cabina esteja bloqueada na posição fechada, (2) impedir (de forma mecânica) a abertura da porta de uma cabina no interior da cabina, a menos que a cabina do elevador esteja na zona da porta e esteja parada ou a ser parada.

  • É a luz (alimentada por bateria) presente na cabina do elevador destinada a servir como luz de emergência durante o corte de eletricidade.

  • As guias da cabina são usados para direcionar uma cabina de elevador no interior de uma caixa do elevador.

  • Define-se como todos os elementos visíveis no interior da cabina do elevador.

  • É a iluminação presente no interior da cabina.

  • É uma função que impede o uso de um elevador quando o fornecimento de energia elétrica às luzes da cabina não funciona.

  • É a carga real dentro do elevador da cabina (passageiros e bens/mercadorias). Consultar também o termo "Carga nominal".

  • É a interface de utilizador destinada aos passageiros no interior da cabina do elevador. Incorpora botões de chamada da cabina, botão de alarme, botão de abertura da porta, etc.

  • É um conjunto de dispositivos destinado a detetar e a informar os passageiros de uma eventual sobrecarga na cabina do elevador. Ativa o sinal de sobrecarga da cabina.

  • É um dispositivo mecânico geralmente ligado ao chassi da cabina, e concebido para parar a cabina do elevador caso esta ultrapasse a velocidade permitida.

  • É a estrutura da cabina excluindo os elementos interiores individuais (não integrados).

  • É a dimensão interna da estrutura da cabina, medida desde a parte frontal até à parte traseira, excluindo elementos decorativos.

  • É a altura medida a partir do piso inacabado até à aresta inferior do teto.

  • É a dimensão interna da estrutura da cabina medida de lado a lado, excluindo elementos decorativos.

  • É o membro inferior horizontal da entrada de uma cabina do elevador.

  • É a estrutura de suporte da cabina do elevador, à qual as sapatas de guia, o equipamento de segurança e os cabos de elevação ou o cilindro hidráulico estão ligados.

  • É um dispositivo, ou conjunto de dispositivos, que serve para controlar, de um modo pré-determinado, o aparelho ao qual aquele está ligado. Um controlador de elevador compreende funções de comando e controlo.

  • O elevador base contém os componentes básicos pré-concebidos do elevador: sistema de elevação, função de controlo, sistemas de acionamento, superestrutura da cabina, sistema de porta principal e equipamentos de segurança do passageiro. Os acessórios e elementos decorativos (incluindo sinalização) não são especificados.

  • Uma gama de elevadores base de pré-concebidos que compõem a família de produtos.

  • É um componente que assegura a tração entre a roldana de tração e os cabos de suspensão, e que compreende um conjunto de pesos para equilibrar o peso da cabina e uma parte da carga na cabina, muitas vezes considerada como 50% da carga nominal.

  • É a área de percurso do contrapeso no poço do elevador, isolada por uma estrutura de proteção do contrapeso.

  • É o modo de funcionamento predefinido segundo o qual o elevador é executado numa determinada situação. Os modos incluem, por exemplo, um funcionamento normal, de inspeção ou de instalação.

  • Nos elevadores de cabos, é a solução técnica para fornecer energia ao motor de elevação e regular a respetiva velocidade. Nos elevadores hidráulicos, é a solução técnica que controla a bomba e as válvulas.

  • É uma cabina de elevador com duas entradas.

  • Propriedades estruturais e funcionais opcionais para proteger os passageiros e o elevador dos danos causados ​​por um terramoto.

  • É uma parte do elevador que transporta passageiros e/ou outras cargas.

  • Abrange os dispositivos e os princípios funcionais para a execução das chamadas e dos comandos do elevador pelos passageiros.

  • Um grupo de elevadores é composto por 2 ou mais elevadores que partilham os mesmos botões de chamada de destino (e que funcionam sob o mesmo controlador de grupo). Consultar também o termo "Hall de elevadores".

  • É o espaço onde a cabina e o contrapeso (caso exista um) se movem. Este espaço é, normalmente, limitado pelo fundo do poço, pelas paredes verticais e pelo teto da caixa do elevador.

  • É a velocidade instantânea da cabina de elevador na caixa do elevador. Não é a mesmo que velocidade nominal.

  • É um sistema de emergência instalado em todas as cabinas, que compreende um alarme, um botão na cabina e uma fonte ininterrupta de energia, normalmente uma bateria.

  • É uma opção na qual um determinado elevador é autorizado a ser retirado do serviço de grupo normal para ser utilizado por bombeiros.

  • Um conjunto de porta de patamar que não cobre toda a largura da caixa do elevador. Consultar também os termos "Porta do tipo moldura" e "Porta do tipo frontal".

  • É um conjunto de porta de patamar que cobre toda a largura da abertura em bruto da caixa do elevador.

  • Um elevador equipado para o transporte de bens, mercadorias, empilhadoras, etc.

  • Um elevador destinado, principalmente, ao transporte de bens e mercadorias, que são geralmente acompanhadas por pessoas.

  • Perfis em aço com superfícies de guia lisas. O perfil de seção apresenta, geralmente, a forma de "T" (maquinado, estirado ou laminado a frio). As guias são instaladas numa caixa do elevador para orientar e direcionar o percurso de uma cabina de elevador e do respetivo contrapeso.

  • É um suporte para as mãos localizado na cabina do elevador.

  • É a secção da caixa do elevador entre o nível do piso acabado mais elevado e o teto da caixa do elevador.

  • É o equipamento necessário para mover a cabina do elevador e o contrapeso. É uma combinação definida de equipamentos necessários para uma variedade de cargas, velocidades nominais, aceleração e alturas do percurso.

  • É um sistema de elevador temporário que incorpora uma casa de máquinas móvel. Foi desenvolvido para disponibilizar um elevador totalmente funcional durante as obras de construção de um edifício. A casa de máquinas encaixa-se nas mesmas guias do que as da cabina do elevador e é presa à estrutura do edifício por "agulhas" retráteis. À medida que o edifício cresce em altura, o sistema de guias é alongado e a casa de máquinas móvel é elevada para servir os novos pisos adicionais.

  • É um motor síncrono axial da KONE com ímanes permanentes no rotor.

  • É a área do piso em frente à entrada do elevador.

  • É uma porta localizada na abertura de uma caixa do elevador. Disponibiliza um acesso seguro à cabina do elevador.

  • É um conjunto que compreende as portas de patamar e quaisquer acabamentos arquitetónicos associados à entrada na caixa do elevador.

  • É um espaço na qual estão localizados as máquinas do elevador e alguns componentes do sistema de eletrificação e de controlo. Normalmente, a casa de máquinas está localizada sobre a caixa do elevador.

  • É um contactor que alterna a potência para o motor de elevação se: 1) existir a necessidade de operar a cabina do elevador, e 2) a corrente de segurança elétrica estiver completa (fechada).

  • É o piso que disponibiliza o acesso principal a um edifício.

  • São os dispositivos que fornecem energia para o elevador. É também denominada "rede de alimentação".

  • É uma parte do sistema de controlo do elevador que inclui a interface de utilizador destinada aos técnicos de assistência e de manutenção, bem como interruptores, fusíveis e alavanca de liberação do travão.

  • É uma gama de utilização específica que se refere à categoria de desempenho intermédio. Consultar também os termos "Potência baixa" e "Potência alta".

  • É um sistema utilizado em operações de portas automáticas que emite um sinal de alerta e fecha as portas a uma velocidade e binário reduzidos. O sistema é ativado se as portas permanecerem abertas mais tempo do que o período de tempo predeterminado.

  • É um interruptor ativado por uma chave que é utilizado para colocar o elevador fora de serviço.

  • É um dispositivo que faz com que o elevador pare quando este atinge uma velocidade predeterminada e, se necessário, faz com que o sistema de segurança seja acionado.

  • É uma caraterística de um único elevador ou de um grupo de elevadores. Com esta função, um elevador recebe um sinal para regressar sempre ao piso pré-selecionado depois de o próprio elevador atender a todas as chamadas de entrada e de saída de pessoas nos pisos solicitados.

  • É um vasto conjunto de caraterísticas e elementos de utilização que têm influência sobre a conveniência ou inconveniência dos utilizadores quando utilizam o elevador. Por exemplo: decoração, sinalização, entrada ou saída, tempo de espera, conforto, etc.

  • É um elevador usado, principalmente, para o transporte de pessoas.

  • O poço é o local da caixa do elevador que se situa abaixo do nível do último patamar.

  • Um método para: a) verificar a caixa do elevador no sentido de garantir que este está construído de acordo com as exigências, e b) determinar a posição correta dos componentes.

  • O fator de potência define a relação entre a verdadeira potência e a potência aparente. O fator de potência de um circuito é calculado com base numa fórmula: pf = P / S (kW / kVA).

  • É a carga para a qual o equipamento foi construído. Consultar também o termo "Carga da cabina".

  • Um sistema de alarme de emergência que funciona à distância.

  • O conforto durante o percurso de um elevador é definido em termos do nível de ruído, vibração vertical, tremor lateral, taxa de aceleração/desaceleração e impulso.

  • É um dispositivo mecânico de segurança fixo à estrutura da cabina e, em algumas circunstâncias, fixo à estrutura do contrapeso. O dispositivo atua para parar e reter uma cabina ou contrapeso em excesso de velocidade e fá-lo através da utilização de maxilas de aperto em torno das guias. O dispositivo é ativado pelo regulador de velocidade.

  • Uma placa em aço fixa à parede da caixa do elevador sob a soleira da porta de patamar e sobre a porta de patamar para reduzir a distância entre a soleira da porta da cabina e a parede da caixa do elevador.

  • Elemento decorativo e de proteção localizado na parte inferior da parede da cabina.

  • É a carga que inclui o peso bruta da cabina, o interior da cabina, a(s) porta(s) da cabina, a carga nominal e o chassi da cabina com todos os acessórios. O peso não inclui os cabos de suspensão, as correntes ou cabos de compensação, o dispositivo de compensação do cabo, o cabo do percurso ou o contrapeso.

  • São os cabos que suspendem a cabina do elevador e o contrapeso. Um cabo de suspensão não é o mesmo que cabo de elevação.

  • É um modo de acionamento do elevador no qual o elevador desce até atingir um interruptor de desaceleração ou de sincronização.

  • É a lista de dados que define as plataformas elevatórias nos documentos DL.

  • É um conjunto predefinido de componentes fulcrais que constituem o elevador principal.

  • É o patamar superior ou inferior à qual uma cabina do elevador pode chegar.

  • É uma cabina do elevador com duas ou mais entradas.

  • É um elevador com entradas nos dois lados opostos da cabina do elevador.

  • É um teste de segurança para assegurar que existe fricção suficiente entre os cabos de suspensão e a roldana de tração.

  • É um grupo de três elevadores.

  • É um sistema que permite a comunicação de voz bidirecional entre o elevador e centro de assistência técnica KONE.