WELCOME TO KONE!

Are you interested in KONE as a corporate business or a career opportunity?

Corporate site

Would you like to find out more about the solutions available in your area, including the local contact information, on your respective KONE website?

Your suggested website is

United States

Go to your suggested website

Cookies

Usamos cookies para otimizar a funcionalidade do site e para lhe dar a melhor experiência possível enquanto navega no nosso site.Se você concordar com isso e aceitar todas as cookies, basta clicar no botão 'Aceitar'.Você também pode rever a nossa declaração de privacidade.

Back to top

A evolução da manutenção de elevadores no passado, no presente e no futuro

A tecnologia deu um salto quântico nas últimas décadas, com equipamentos que anteriormente eram considerados ficção científica e que são agora banais, e que introduzem formas de trabalhar mais rápidas e mais eficientes. Os técnicos de manutenção da KONE falam-nos do impacto que essa tecnologia teve nos seus trabalhos.

O PASSADO

Texto: Nikhil Narayan Sivadas

Com cinquenta e poucos e uma constituição física robusta, Risto Alaluusua é um veterano na KONE Finlândia, que trabalha como técnico de manutenção nas últimas três décadas. A jornada de Risto na KONE começou com um encontro casual.

"Eu estava num estaleiro de construção quando conheci dois lendários engenheiros de elevadores, Ilkka Mustonen e Eero Lipponen. Eles falaram-me da escola da KONE que formava pessoas na área da manutenção de elevadores. A KONE já era, na altura, uma entidade empregadora com boa reputação, e eu candidatei-me e consegui ser aceite."

Agora, 30 anos depois, Risto conhece os sistemas de elevadores e escadas rolantes como a palma da sua mão e viu em primeiro mão a evolução da tecnologia a acontecer na KONE.

"Quando entrei em ação nos fins dos anos 80, nós costumávamos ter um quadro grande na parede que apresentava os locais que tínhamos de inspecionar, e tínhamos de preenchê-lo assim que terminássemos a inspeção. No final do ano, quando a lista estava cheia, nós limpávamos tudo e recomeçávamos."

Mesmo nessa altura, recorda Risto, a empresa arranjava os dispositivos e técnicas mais recentes que pudessem tornar o trabalho mais eficiente, ao mesmo tempo que ajudava os clientes.

"Davam-nos pagers que emitiam dois sinais. Com vários beeps compridos, tratava-se de um trabalho regular. Cinco beeps curtos significava que havia pessoas presas num elevador e tínhamos de ligar ao centro, obter a morada e correr para o local.

O PRESENTE

Métodos inovadores como estes têm caracterizado a KONE, afirma Risto, enfatizando que este é um trabalho que requer um estudo constante de novos métodos, novos produtos e novos processos. Entretanto, a milhares quilómetros de distância, em Nice, França, outro técnico de manutenção da KONE, Thierry Debever, está a colocar isso em prática ao utilizar aplicações móveis para completar o seu trabalho.

"Estou na KONE há 25 anos e lembro-me de ter de ir ao escritório para saber o que estava a acontecer. Mas agora, tudo foi simplificado. Temos aplicações que nos dizem tudo o que precisamos de saber, poupando-nos tempo na ida para o escritório e permitindo-nos trabalhar de forma independente no local", afirma.

Os técnicos têm PDA (Personal Digital Assistant) com uma aplicação que contém informação sobre o fluxo de trabalho dos técnicos de manutenção, as tarefas que estão atribuídas nesse dia e os alertas quando surgem problemas. E no caso de ser um problema que não pode ser resolvido por um só técnico, a ajuda está lá.

"Antes do PDA, nós só recebíamos chamadas e mensagens e, portanto, tínhamos pouca informação sobre a unidade avariada. Agora, o técnico está mais informado, tem ao seu dispor suporte técnico ao vivo com o chefe da equipa online ou com o chefe de TI no caso de a falha ser do software. Isto torna o trabalho muito mais eficiente."

E O FUTURO

Thierry está também a trabalhar nas soluções de elevadores da próxima geração, com um projeto-piloto para os 24/7 Connected Services da KONE que ficou concluído em França. O projeto teve vários dispositivos de recolha de dados instalados nos elevadores, sendo a informação recolhida por estes dispositivos enviada para a nuvem em tempo real e analisada com a ajuda do sistema Internet das Coisas (IoT) Watson da IBM. A informação é usada para compreender ao detalhe o elevador, analisar variações no desempenho do elevador, podendo tudo isto ser usado para prever o respetivo comportamento. Thierry acredita que isto vai revolucionar radicalmente a manutenção dos elevadores.

"Olhando para as medições de velocidade, paragens, temperatura, etc. ao longo do tempo, o sistema diz-nos se o nosso equipamento está a deteriorar-se, permitindo-nos enviar uma equipa para substitui-lo ainda antes de ter ocorrido qualquer problema. Por vezes, os nossos clientes nem sequer sabem por que razão viemos, e temos de explicar-lhes que o seu elevador pode vir brevemente a apresentar problemas. É esta a beleza dos elevadores conectados."

O novo sistema permite ainda aos técnicos equiparem-se antecipadamente com soluções para o problema, poupando-lhes a necessidade de verificar a máquina, e depois encomendar peças sobresselentes. A informação é também disponibilizada ao cliente, para ele poder ver o estado das suas máquinas em tempo real, e agendar a manutenção ou atualizações quando necessário.

É certo que a tecnologia evoluiu, e para o melhor, permitindo a prestação de novos serviços ao cliente. Então o que nos reserva o futuro? Risto explica-nos melhor.

"Tudo irá para a nuvem, permitindo a monitorização remota. Ainda haverá técnicos de manutenção como nós por perto para limpar, lubrificar e cuidar dos elevadores, mas o nosso trabalho será facilitado e mais eficiente à medida que avançamos."

Partilhe esta página