WELCOME TO KONE!

Are you interested in KONE as a corporate business or a career opportunity?

Corporate site

Would you like to find out more about the solutions available in your area, including the local contact information, on your respective KONE website?

Your suggested website is

United States

Go to your suggested website

Cookies

Usamos cookies para otimizar a funcionalidade do site e para lhe dar a melhor experiência possível enquanto navega no nosso site.Se você concordar com isso e aceitar todas as cookies, basta clicar no botão 'Aceitar'.Você também pode rever a nossa declaração de privacidade.

Back to top

Partilhe esta página

PRIMA "I" PARA A INOVAÇÃO

Em que empresas pensa quando ouve a palavra "inovação"? Muitos pensariam na Apple, no Google e no Facebook, mas estão a surgir novos nomes. Devido ao mundo digital em que estamos, incluir uma cultura de inovação é a única forma de as empresas se destacarem.

"A diferença entre inovação e não-inovação é a cultura", afirma o consultor em inovação Henry Doss, Sócio-gerente na Rainforest Strategies LLP, na Carolina do Norte. Doss descreve cultura como "um estado de consciência" que compreende dois componentes: hardware e software. Os ativos tangíveis incluem elementos como processos, métrica e governação, enquanto os passivos incluem valores, atitudes e emoções. A "cultura" é a soma de todos estes fatores – e todos têm de avançar em sintonia.

Caso contrário, as organizações correm o risco de ficarem para trás.

Doss tem razão. Vejam, por exemplo, a Dutch State Mines (DSM). Começando como uma antiga empresa de exploração de carvão com um futuro mediano, hoje em dia a DSM é uma multinacional muito bem-sucedida especializada em soluções de ponta na área da saúde, nutrição e materiais. "Radical" é pouco para descrever a transformação do portefólio da DSM. Ao escolher conscientemente um futuro diferente, eles enveredaram por um caminho novo – e sobreviveram.

A DSM abriu os braços a uma "cultura de inovação", que se tem tornado numa condição de sobrevivência na nova paisagem digital.

Mas isto não tem de envolver uma transformação radical com mudança de jogo e tudo – tem que ver com a consistência, afirma Daniel Roos, Diretor no escritório de Gothenburg da Arthur D. Little, a consultora líder em inovação na Escandinávia.

"Ser bem-sucedido resume-se ao aperfeiçoamento permanente, ano após ano. Também pode ter por base pequenos melhoramentos incrementais. Tem de se perguntar constantemente: como podemos continuar a encontrar novos caminhos para criar valor, melhores serviços e modelos de negócios para nos mantermos sempre no topo", afirma Roos.

"Abrir os braços a uma "cultura de inovação" tem-se tornado numa condição de sobrevivência na nova paisagem digital."

MÚLTIPLOS CRITÉRIOS

Isto não é impossível porque existe mais do que um caminho para medir o sucesso da inovação. Roos diz que os pré-requisitos diferem de uma indústria para a outra.

Pode ser medido, por exemplo, como a taxa de renovação de produtos, o número de patentes registadas e concedidas ou como a poupança de custos conseguida através de novos processos, tecnologias ou formas de trabalho. Dependendo da métrica que escolher, serão favorecidas diferentes indústrias; por exemplo, as empresas de bens de consumo de rápido movimento se se focar na taxa de renovação, ou as empresas de TIC se estiver à procura de patentes.

Mesmo uma instituição pública pode ser um inovador radical. Um exemplo é a agência do Pentágono, a Defense Advanced Research Projects Agency (DARPA), responsável por um número sem igual de avanços tecnológicos com o seu modelo "de forças especiais" da inovação.

As suas recentes invenções incluem um nanomesh de metal ultraleve que é quase 100 vezes mais leve do que o isopor (ou poliestireno extrudido). No desenvolvimento deste material inovador, a DARPA claramente definiu o seu "grande desafio" e mobilizou equipas altamente especializadas para o local para superar o desafio, forçando-as a competir umas contra as outras e também a colaborar entre si.

"As equipas foram muito pressionadas, tendo de validar constantemente o caminho escolhido. Este estado stressante de constante tensão criativa obviamente que não é para qualquer pessoa, mas para os inovadores é uma grande experiência de aprendizagem – e eles realmente superaram os limites", afrima Roos.

A MANEIRA GOOGLE

Apesar de as organizações divergirem em termos de estilos de inovação, aquelas que se mantêm consistentemente inovadoras têm uma coisa em comum: uma visão e estratégia claras. Isto aplica-se a todas as geografias.

"Os inovadores bem-sucedidos dizem por que razão precisam de inovar, qual é o seu foco e como planeiam chegar ao futuro que idealizam. Por exemplo, a DSM fez da sua estratégia de inovação toda a sua estratégia de negócios para levar à mudança – e compensou", afirma Roos.

Por vezes, avançar requer escolhas difíceis: alienações, encerramentos e cancelamentos de projetos.

"A Google é um bom exemplo: eles experimentam centenas de ideias e fazem com que as falhem rapidamente, de modo a poderem aprender o que funciona e o que não funciona."

O terceiro impulsionador crucial da inovação é um estilo de liderança que incentiva pessoas a experimentarem novas ideias. Tal como Steve Jobs uma vez disse: "A inovação não tem nada que ver com quantos dólares se tem para a investigação e desenvolvimento. Tem que ver com as pessoas que se tem à disposição, com o modo como se é orientado e com quanto se consegue obter."

"Não é possível forçar a mudança. É necessário fazer com que as pessoas a queiram. Aqui, os líderes têm de dar o exemplo – e o que eles fazem é mais importante do que aquilo que dizem. Se a "inovação" for o último ponto na sua agenda e se ficar sem tempo para abordá-lo, está no fundo a dizer que não é importante. A inovação deve estar no topo da agenda e estar ligada a tudo o que faz."

ORGULHOSAMENTE ENCONTRADO NOUTRO LUGAR

Mas será que os riscos, os custos e as recompensas da inovação podem ser equilibrados? É possível inovar e jogar pelo seguro ao mesmo tempo?

"A inovação não tem que ver com equilíbrio. O equilíbrio representa o status quo, enquanto a inovação significa desafiar o status quo. Haverá sempre riscos, mas é uma questão de compreender a natureza desses riscos e de alinhar as suas prioridades e investimentos."

Roos partilha o exemplo de uma empresa automóvel que estava a investir milhares de milhões na Investigação e Desenvolvimento, mas cujo receio de falhar afastou-a da possibilidade de inovar. "Há certos riscos que não podem ser evitados, mas esta empresa tentou ignorá-los. Os riscos e a falha não eram tolerados, e isso transformou-se num bloqueio. Nós ajudámo-la a desenvolver uma nova forma para identificar e falar sobre os riscos para voltar ao fluxo criativo."


Com a digitalização a mudar o jogo, as organizações estão cada vez mais a transitar de uma mentalidade "não inventado aqui" para a "orgulhosamente encontrado noutro lugar".

"Quando entra num território novo, precisa de novas competências. Por vezes, o caminho mais curto para lá chegar é a inovação aberta. As empresas bem-sucedidas abrem-se cada vez mais a ecossistemas de inovação aberta", salienta Roos.


"A inovação é e será o impulsionador da mudança nos próximos anos. A inclusão de uma cultura de inovação permite às empresas um avanço sobre a concorrência e ajuda-os a manterem-se na vanguarda. Mas a cultura é um omnívoro; devora tudo ao pequeno-almoço. Uma cultura pobre ou forte é tanto causa como efeito do desempenho da inovação", conclui.