WELCOME TO KONE!

Are you interested in KONE as a corporate business or a career opportunity?

Corporate site

Would you like to find out more about the solutions available in your area, including the local contact information, on your respective KONE website?

Your suggested website is

United States

Go to your suggested website

Cookies

Usamos cookies para otimizar a funcionalidade do site e para lhe dar a melhor experiência possível enquanto navega no nosso site.Se você concordar com isso e aceitar todas as cookies, basta clicar no botão 'Aceitar'.Você também pode rever a nossa declaração de privacidade.

Back to top

CUIDADO! HACKERS AO TRABALHO

"Um elevador que lê a sua mente" pode passar da ficção para a realidade se o conceito de Streamr de um "elevador telepático" – que usa grandes volumes de dados para melhorar o People Flow – começa a ganhar forma. Afinal, a ideia ganhou a primeira edição do Hackathon da KONE.

À medida que os participantes partilhavam o piso com os executivos de topo da KONE, os representantes de grandes empresas como a IBM e ABB trocavam ideias com empreendedores de startups – tudo isso enquanto as 15 equipas que estavam a competir na primeira edição do Hackathon da KONE lançavam mãos à obra. O evento de três dias era uma placa de Petri de várias espécies, onde a inovação teórica podia florescer num ambiente prático.

"Atrevo-me a dizer que o encontro foi ainda melhor do que esperava", afirma Samu Salmelin, Chefe de Serviços e Soluções de Investigação e Desenvolvimento na KONE, sobre o evento realizado em Hyvinkää no KONE People Flow Center, neste mês de março.

"Existem tantas novas áreas que fazem parte da transformação digital" afirma. "Não podemos tê-las todas internamente, pelo que os Hackathons são um fórum excelente", acrescenta Salmelin.

OS DESAFIOS-CHAVE

Uma das tarefas principais em mãos era encontrar novos caminhos para melhorar a experiência do utilizador final. Solicitou-se também aos hackers para considerarem como podiam facilitar a vida aos engenheiros do serviço e aos supervisores dos edifícios e, de um modo geral, como podiam tornar um edifício "mais inteligente".

A Streamr, sedeada em Helsínquia, estava entre os concorrentes que ponderou sobre o tipo de dados que estava a escapar dos elevadores. "Dados diferentes têm qualidades diferentes", afirma Juuso Takalainen da Streamr. "Quando são combinados, obtém-se frequentemente um panorama geral, que é mais valioso do que os dados originais", acrescenta.

E com os ajustes certos, esse "panorama geral" transformou-se no conceito de um elevador telepático, que sabe onde o morador de um edifício, por exemplo, pretende ir antes de ele premir o botão. "O elevador telepático foi uma das ideias malucas que parecia exequível", afirma Takalainen.

LIMAR ARESTAS

Caution! Hackers at work - Judges
À PROCURA DE UMA IDEIA EXEQUÍVEL

Exequível é uma palavra-chave. É por isso que os concorrentes puderam, no segundo dia, receber o feedback sobre o seu primeiro conjunto de ideias. "As sessões foram organizadas a fim de assegurar que ninguém desenvolvesse esforços na direção errada, e as ideias realmente proporcionaram os aperfeiçoamentos esperados para os utilizadores e gestores das instalações, e facilitaram o trabalho diário dos técnicos", destaca Salmelin.

Ideias fantásticas é uma coisa, mas ideias exequíveis é outra completamente diferente. O burburinho ao redor da "Internet das Coisas" (IoT) é um exemplo perfeito, porque à medida que iam falando mais alto, havia poucas ideias concretas e de fácil comercialização. A Streamr poderá vir a mudar isso.

"Entrada de dados, saída de dados, e depois fazer algo sensato com isso; é isso que é suposto a IoT fazer, mas apesar de o conceito ser promissor, ainda está numa fase inicial", afirma Takalainen. "Talvez o elevador telepático venha a ser a grande revolução na indústria dos elevadores."

UMA FINAL RENHIDA

Caution! Hackers at work - Winner
15 EQUIPAS COMPETIRAM PELO TÍTULO NA HACKATHON DA KONE

No terceiro dia, a KONE anunciou cinco finalistas, e Salmelin sublinha que a KONE gostaria de manter o diálogo aberto com todos, uma vez que apresentaram ideias sólidas para o futuro. Mas, no final, foi a Streamr que levou para casa o troféu, graças à apresentação da sua ideia "realmente marcante".

"É uma ideia única que vai melhorar o People Flow, tem verdadeiro valor comercial e, acima de tudo, é exequível", afirma Salmelin. Com base no sucesso do primeiro encontro, estão a ser elaborados planos para realizar competições idênticas nos mercados-chave em ascensão da KONE: a Índia e a China.

"A novidade é o ponto fulcral de uma Hackathon", afirma Takalainen. "Se pretende uma solução específica, contrata um consultor. Com uma Hackathon, está a resolver problemas ainda antes de as pessoas perceberem que têm um problema", afirma.

  • Participaram 65 equipas de hackers na competição
  • Foram selecionadas 15 equipas, desde estudantes universitários a startups existentes, para o evento de três dias
  • Os programadores usaram API compatíveis com a KONE e a IBM

Partilhe esta página