WELCOME TO KONE!

Are you interested in KONE as a corporate business or a career opportunity?

Corporate site

Would you like to find out more about the solutions available in your area, including the local contact information, on your respective KONE website?

Your suggested website is

United States

Go to your suggested website

Back to top

INOVAÇÃO - A NOVA MOEDA

A KONE está a mudar a sua abordagem em relação à inovação para progredir e criar valor distinto. Vamos mostrar-lhe o que está a ser preparado!

"Queremos agitar a indústria", afirma Teppo Voutilainen, Chefe dos Novos Serviços e Soluções da KONE. A sua equipa tem um mandato para explorar negócios modelos completamente novos que ainda nem sequer existir atualmente.

"Temos permissão para olhar para as coisas de forma criativa e criar um ambiente novo para inovar", afirma transbordando de entusiasmo.

Este entusiasmo vem da renovada abordagem da KONE em relação à inovação. A confluência da concorrência, digitalização e crescente urbanização criou novas oportunidades para a empresa. E a KONE pretende aproveitar o seu potencial para introduzir soluções únicas e cumprir a sua missão, ou seja, melhorar o fluxo da vida urbana.

"Tecnologias de nuvem, redes mais rápidas, capacidade de computação e tecnologias de sensor são tudo partes muito importantes."

CRIAR UMA ECONOMIA COLABORATIVA

A empresa está a implementar um programa de aceleração da inovação. A nível interno, a empresa criou uma nova unidade de Tecnologia e Inovação, que vai combinar a Investigação e Desenvolvimento da KONE com as funções das TI, para responder ao panorama tecnológico em rápida mudança.

Tomio Pihkala, Chefe do Escritório de Tecnologia à frente da nova unidade, está ciente de como a digitalização e as suas disrupções tecnológicas relacionadas estão a impulsionar a inovação. "Tecnologias de nuvem, redes mais rápidas, capacidade de computação e tecnologias de sensor são tudo partes muito importantes", afirma.

Talvez seja por isso que a KONE esteja a apostar na parceria produtiva – como a parceria com a IBM. A KONE vai usar a tecnologia da IBM para aproveitar o potencial da digitalização e da Internet das Coisas (IoT). A plataforma Watson IoT Cloud Platform da IBM vai ajudar a recolher e guardar dados do equipamento, criar aplicações e desenvolver novas soluções e novas experiências para os clientes da KONE.

Mas não é tudo. A KONE está também a explorar o cenário movimentado das startups.

"Nós organizámos eventos Hackathon onde convidamos 15 equipas de startup para trabalharem durante 48 horas. Apresentamos-lhes problemas para resolverem, e elas apresentam ideias", explica Pihkala.

Explorar a economia colaborativa faz parte da estratégia de inovação da KONE.

"As inovações vão acontecer como ecossistemas e rede de parcerias. Vão acontecer dentro das redes globais e cada vez mais com clientes que estão na vanguarda da indústria", afirma Pihkala.

Voutilainen concorda. "Estaremos envolvidos num diálogo muito ativo e aberto com os clientes e as linhas da frente, e também trabalharemos de perto com a Investigação e Desenvolvimento", afirma destacando a estratégia da KONE.

PREPARAR-SE PARA UM TSUNAMI DE INOVAÇÕES

A KONE já tem uma impressionante tradição em termos de inovação. Em 2016, a revista de negócios Forbes classificou-a como um dos 50 líderes de inovação a nível mundial, numa classificação da qual constam empresas como a Tesla, a Amazon e a Apple.

Algumas das antigas credenciais de inovação da KONE incluem o MonoSpace, um elevador sem casa de máquinas inventado em 1996, e o UltraRope™, um cabo leve com fibra de carbono que possibilitou deslocações a elevadas alturas. Ambas as tecnologias revolucionárias redefiniram a inovação na indústria.

Mas nada para. As mudanças na dinâmica do mercado e nas tecnologias significam que a empresa tem de explorar novas áreas de crescimento. Assim sendo, em vez de desfrutar da glória das conquistas passadas, a KONE quer garantir a sua permanência no topo do desenvolvimento tecnológico, em direção ao futuro.

"Temos de mergulhar nas oportunidades", afirma Pihkala. Para a KONE, isto significa inspirar todos os seus quase 60.000 funcionários a usar as suas redes pessoais e profissionais para procurar ideias.

"Nós já começamos a receber muitas e boas propostas de parceiros, mas eu quero ver um tsunami maior", afirma Pihkala, cujas ambições não estão limitadas a certas geografias. "Precisamos de explorar Silicon Valley, no sul da Índia, e Xangai", afirma apresentando uma rápida lista de objetivos para a KONE.

ORGULHOSAMENTE ENCONTRADO NOUTRO LUGAR

Mas será que os riscos, custos e as recompensas da inovação podem ser equilibrados? É possível inovar e jogar pelo seguro ao mesmo tempo?

"A inovação não tem que ver com equilíbrio. O equilíbrio representa o status quo, enquanto a inovação significa desafiar o status quo. Haverá sempre riscos, mas é uma questão de compreensão da natureza desses riscos e de alinhamento das suas prioridades e investimentos", afirma Daniel Roos, Diretor no escritório de Arthur D. Little Gothenburg, a consultora líder em inovação na Escandinávia.

Roos partilha o exemplo de uma empresa automóvel que estava a investir milhares de milhões na Investigação e Desenvolvimento, mas cujo receio de falhar afastou-a da possibilidade de inovar. "Há certos riscos que não podem ser evitados, mas esta empresa tentou ignorá-los. Os riscos e a falha não eram tolerados, e isso transformou-se num bloqueio. Nós ajudámo-la a desenvolver uma nova forma para identificar e falar sobre os riscos para voltar ao fluxo criativo."

Com a digitalização a mudar o jogo, as organizações estão cada vez mais a transitar de uma mentalidade "não inventado aqui" para a "orgulhosamente encontrado noutro lugar".

"Quando entra num território novo, precisa de novas competências. Por vezes, o caminho mais curto para lá chegar é a inovação aberta. As empresas bem-sucedidas abrem-se cada vez mais a ecossistemas de inovação aberta", salienta Roos.

"A inovação é e será o impulsionador da mudança nos próximos anos. A inclusão de uma cultura de inovação permite às empresas um avanço sobre a concorrência e ajuda-os a manterem-se na vanguarda. Mas a cultura é um omnívoro; devora tudo ao pequeno-almoço. Uma cultura pobre ou forte é tanto causa como efeito do desempenho da inovação", conclui.

Partilhe esta página